Governo do Distrito Federal
26/04/22 às 14h34 - Atualizado em 26/04/22 às 14h34

Um jardim de inspiração espanhola para Brasília

Inaugurado na Alameda das Nações, no Jardim Botânico, espaço conta com espécies tradicionais da Espanha, como lavandas, buganvílias, jasmim-dos-poetas e oliveiras

Lucíola Barbosa, da Agência Brasília I Edição: Débora Cronemberger

Foi inaugurado, na manhã desta terça-feira (26), o Jardim da Espanha na Alameda das Nações e dos Estados do Jardim Botânico de Brasília (JBB). O espaço é inspirado nos jardins mediterrâneos espanhóis, com espécies vegetativas simbólicas do país, como lavandas, buxinhos, buganvílias, jasmim-dos-poetas e oliveiras.

A iniciativa do jardim é um presente da Embaixada da Espanha em homenagem ao bicentenário da Independência do Brasil e aos 62 anos de Brasília | Fotos: Jaqueline Husni/Agência Brasília

A cerimônia, realizada pelo JBB em parceria com a Embaixada da Espanha, contou com a presença do vice-governador Paco Britto, que foi recebido pelo embaixador da Espanha no Brasil, Fernando Garcia Casas, e pela diretora do JBB, Aline De Pieri.

No discurso, Paco falou sobre a importância do espaço para os visitantes, lembrando que a capital do país, como uma cidade cosmopolita, abriga embaixadas do mundo inteiro. “Este projeto, a Alameda das Nações e dos Estados, dá a todo mundo a oportunidade de conhecer melhor, e de perto, um pouco da flora de outros países”, afirmou. “Não poderia deixar de ter em seu espaço algo que ultrapassasse a relação diplomática e que mostrasse cultura, fauna, flora e costume de outras terras”, completou.

O embaixador Garcia Casas, após lembrar os 50 anos de construção da Embaixada da Espanha em Brasília, ressaltou a mistura de culturas no refúgio da flora e fauna no Cerrado. “A cultura deve proteger a natureza”, observou.

Segundo ele, a iniciativa do jardim é um presente da embaixada em homenagem ao bicentenário da Independência do Brasil e também ao aniversário de 62 anos de Brasília, cidade escolhida como capital ibero-americana das culturas.

Sonho concretizado

Para Aline De Pieri, a consolidação do JBB está no fato de que, além de ser um espaço de preservação do bioma Cerrado, é um recinto de celebração e de homenagem a países amigos na Alameda das Nações e dos Estados. “É um sonho concretizado e que deverá ser zelado pelas futuras gerações”, pontuou.

Na ocasião, as autoridades lembraram do personagem icônico e popular de Miguel Cervantes de Saavedra, o Dom Quixote de La Mancha, exemplo da rica cultura espanhola. No espaço, os presentes puderam apreciar mosaicos produzidos pela artista plástica brasiliense Cida Carvalho.

Outros atrativos do evento foram as obras em cerâmica e esculturas de Dom Quixote criadas por Alejandro Altamirano; a entrega, pela embaixada, de livro sobre a flora botânica e o concerto Cancioneros de España, com interpretações de várias peças da música espanhola.

Também estiveram presentes no evento embaixadores de outros países ibero-americanos e servidores do JBB – entre eles, os autores do projeto Jardim da Espanha –; o superintendente de Conservação, engenheiro florestal e paisagista, Elton Baia; e a arquiteta Maria Teresa Melo.

A Alameda das Nações e dos Estados foi implantada por ocasião da criação do Jardim Botânico de Brasília, em 1985. O objetivo do espaço é reunir espécies endêmicas de várias partes do mundo. Concebida com a ideia de representar os cinco continentes por meio de sua biodiversidade e valores culturais, a Alameda das Nações e dos Estados conta com a parceria de duas embaixadas, de Israel e da Polônia.