Governo do Distrito Federal
16/11/22 às 11h16 - Atualizado em 16/11/22 às 11h16

Reforma em vias rurais beneficiará 115 alunos de escola em Planaltina

Programa GDF Presente recupera acessos à EC Córrego do Meio, atendendo também a motoristas das regiões de Itapoã e Sobradinho

Catarina Loiola, da Agência Brasília I Edição: Débora Cronemberger

A reforma das vias de acesso à Escola Classe Córrego do Meio, em Planaltina, no Km 18 da BR-020, vai beneficiar 115 estudantes da educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental. Patrolamento, ajuste das pistas e aplicação de material reciclado estão sendo executados em quatro trechos pelo programa GDF Presente desde 31 de outubro. A extensão afetada chega a dois quilômetros.

 

Os trabalhos na pista vão beneficiar motoristas da área rural de Planaltina, Itapoã e Sobradinho | Foto: Divulgação

Na quinta-feira (10), foi concluída a recuperação do acesso ao Itapoã e iniciado o serviço no cruzamento das rodovias DF-444 e DF-330. Já foram usadas 180 toneladas de resíduos de construção civil (RCC), material cedido pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU). Na sequência, serão executados os acessos a Planaltina e à unidade de ensino.

Sete funcionários do GDF Presente e da administração regional de Planaltina trabalham na ação, com apoio de três caminhões trucados e uma motoniveladora.

O coordenador do Polo Norte do GDF Presente, Ronaldo Alves, lembra que a pista atende a motoristas da área rural de Planaltina, Itapoã e Sobradinho e estava com desníveis e buracos que atrapalhavam a mobilidade de todos. “As estradas estavam ruins, e não havia manutenção no local há muitos anos”, conta.

Segundo ele, por conta disso, quando chove na região, as pistas ficam cheias de poças de água e os carros e ônibus não conseguem seguir viagem.

“Com a reforma da área, esse problema não existirá mais. O patrolamento faz com que a água escorra para fora da estrada, ou seja, não ficará mais alagada”, explica Alves.

Quem solicitou a obra foi o diretor da Escola Classe Córrego do Meio, João Batista Filho. No cargo há seis anos, ele conta que os alunos sofriam muito com a condição deteriorada das vias. “O solo não é muito firme, então os ônibus acabam deslizando. É um risco para os motoristas e para as crianças”, diz. “Tem sido ótimo ver o serviço sendo feito. Como servidor e cidadão, fico alegre em ver o imposto retornando para a comunidade”.