Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
4/03/21 às 11h35 - Atualizado em 4/03/21 às 11h36

Reconstrução do CEM 10 de Ceilândia está perto de começar

COMPARTILHAR

Licitação concluída e empreiteira contratada para reerguer a tradicional escola fechada desde 2016

 

Arte: Divulgação/Secretaria de Educação

 

Uma das escolas mais tradicionais da rede pública do DF, o Centro de Ensino Médio nº 10, em Ceilândia, será totalmente reconstruída pela Secretaria de Educação. O primeiro passo para tanto foi oficializado nesta terça (3), com a publicação no Diário Oficial do contrato com a empreiteira que vai executar a obra – a Contrarpp Engenharia.

 

Localizada na QNP 30 de Ceilândia, depois de reconstruída, a escola terá 3.872,50 m² de área para atender 750 estudantes do ensino médio. Lá, há turmas nos turnos da manhã e tarde. À noite, funcionam turmas da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O valor total da obra é de R$ 5.078.233,60.

 

A reconstrução do CEM 10 é uma das obras mais esperadas de Ceilândia. A sede da escola está fechada desde 2016, por orientação da Defesa Civil, dado o estado de degradação das instalações. Desde então, os estudantes vinham tendo aulas em outro prédio da Secretária de Educação na cidade.

 

“Eu venho dizendo que é preciso reconhecer os problemas da nossa estrutura física para poder enfrentá-los e solucioná-los. Estamos sendo cuidadosos, porque são muitos processos licitatórios, mas as coisas estão acontecendo”, comemora o secretário de Educação, Leandro Cruz. “Agora é tomar conta da obra, fiscalizar direitinho, para que ela não sofra atrasos e a gente possa entregar a escola de volta à comunidade o mais rapidamente possível.”

 

O contrato de reconstrução do CEM 10 inclui a instalação de portas de acesso à área externa; construção de escada e rampa de acesso à quadra poliesportiva; instalação de guarda-corpos, corrimãos, piso antiderrapante, sinalização e piso tátil; instalação de sanitários acessíveis; elevação do piso do pátio descoberto a ser nivelado com os demais pisos externos; construção de novo castelo d’água; reforma geral das instalações elétrica, da rede lógica, hidrossanitária, gás e incêndio; reforma do estacionamento interno; reposição do tratamento paisagístico; instalação de bicicletários; reforço estrutural da edificação; troca de telhados e forros; instalação de novas esquadrias; reparos nos pisos e demais revestimentos e pintura geral.

 

*Com informações da Secretaria de Educação

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: MÔNICA PEDROSO