Governo do Distrito Federal
21/03/22 às 19h20 - Atualizado em 21/03/22 às 19h20

Projetos arquitetônicos de novas UPAs são apresentados

Propostas modernizam as unidades de atendimento a partir da experiência com as anteriores, otimizando o atendimento aos pacientes

Após construir sete novas unidades de pronto atendimento (UPA), o Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (Iges-DF) vai erguer mais duas, chegando ao total de 15 unidades no DF, que só contava com seis até o início deste governo.

Os projetos arquitetônicos das novas unidades, localizadas no Guará e na Estrutural, foram apresentados, na última sexta-feira (18), pela equipe do Núcleo de Planejamento de Obras do Iges-DF à diretora-presidente substituta do instituto, Mariela Souza de Jesus.

A construção de mais duas UPAs cumpre determinação do governador Ibaneis Rocha, que anunciou, na quarta-feira (16), que as seleções das construtoras devem ocorrer em breve.  De acordo com Mariela Souza, o Iges-DF está aguardando aprovação dos projetos arquitetônicos pela Secretaria de Saúde, bem como a assinatura dos contratos administrativos.

Segundo o planejamento em elaboração, a previsão é de que a UPA Guará seja erguida no Setor Residencial Indústria e Abastecimento (SRIA) II, enquanto a UPA Estrutural ficará em um terreno próximo ao Jockey Club.

Mais modernos

As duas novas unidades seguirão o modelo Porte I, do Ministério da Saúde. Os projetos arquitetônicos serão mais modernos do que o das UPAs que foram entregues recentemente.

“As novas UPAs serão maiores do que as recém-inauguradas. Cada projeto prevê uma área construída de 1,6 mil  metros quadrados, ou seja, 400 metros a mais de área construída. A ideia é ter recepções e laboratórios de exames maiores, otimizando o atendimento aos pacientes”, disse o arquiteto do Núcleo de Planejamento de Obras, Igor Félix.

Os projetos arquitetônicos das unidades do Guará e da Estrutural foram apresentados na última sexta-feira (18) pela equipe do Núcleo de Planejamento de Obras do Iges-DF | Foto: Divulgação/Iges-DF
Segundo ele, haverá ainda quatro consultórios médicos, sendo um destinado a exame de eletrocardiograma; uma sala verde com nove poltronas para aplicar medicação; uma sala amarela com sete leitos, sendo um de isolamento, para pacientes que precisam de observação; uma sala vermelha com dois leitos para pacientes graves; sala de radiologia; entre outras áreas administrativas. O projeto foi idealizado seguindo todas as normas de acessibilidade para pessoas com dificuldades de locomoção.

Histórico

De setembro de 2021 a fevereiro de 2022, foram entregues sete UPAs para ampliar o acesso da população do DF aos serviços de saúde. Em 2021, a primeira UPA inaugurada foi em Ceilândia, em 24 de setembro; a segunda no Paranoá, em 18 de outubro; a terceira no Gama, em 27 de outubro; a quarta no Riacho Fundo II, em 18 de novembro, e a quinta em Planaltina, em 8 de dezembro. Em 2022, foram entregues a sexta UPA, em Vicente Pires, em 25 de janeiro; e a sétima, em Brazlândia, em 22 de fevereiro.

Cada uma das novas sete UPAs tem capacidade para atender até 4,5 mil pessoas por mês. Juntas, elas podem atender 31,5 mil pessoas por mês.

Atendimento

As UPAs funcionam 24 horas todos os dias. Atendem casos de urgências e emergências de clínica médica, como pressão alta e febre alta, sintomas respiratórios, desmaio, convulsão, diarreia aguda, infecção do trato urinário, dor abdominal de moderada a aguda e complicações cardiológicas e neurológicas, como infarto e AVC.

Os médicos prestam socorro, prescrevem medicamentos e exames e analisam se é necessário encaminhar os pacientes a um hospital, mantê-los em observação por 24 horas ou dar alta após o atendimento.

*Com informações do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do DF

Agência Brasília* | Edição: Claudio Fernandes