Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/01/21 às 7h36 - Atualizado em 27/01/21 às 7h37

Parque do Paranoá terá mais conforto e segurança

COMPARTILHAR

Área foi incluída na lista das unidades de conservação e parques que receberão força-tarefa do governo

 

As ações de melhoria incluem troca de portões, reforma de cercas e da sede; limpeza e revitalização da coopervia e placas de sinalização; e retirada de escombros de galpões antigos, entre outros | Foto: Divulgação/Brasília Ambiental

 

O Parque Ecológico do Paranoá tem muitas histórias que remetem à construção de Brasília. A área de 38 hectares, que oferece lazer e descontração para a população, abrigava a Vila Paranoá. A Vila foi formada na década de 1950, antes da inauguração da nova capital do Brasil, por trabalhadores vindos de outros lugares do país, para a construção da Barragem do Paranoá.

 

O local, muito frequentado pela população do Paranoá, recebeu nesta terça-feira (16) a visita do secretário do Meio Ambiente, Sarney Filho, e do presidente do Brasília Ambiental, Cláudio Trinchão, além de técnicos do instituto. A área foi incluída na lista das unidades de conservação e parques que receberão a força-tarefa do governo.

 

“O Parque Ecológico do Paranoá tem alma. São poucas unidades no Brasil que têm sua origem marcada pela história. Aqui serão feitas as reformas necessárias, como ocorreu em outros parques e unidades de conservação, determinadas pelo governador Ibaneis, para que possamos oferecer mais conforto e segurança, levando em conta a cultura e a tradição desse lugar” , afirmou Sarney Filho.

 

As ações de melhoria preveem troca de portões, reforma de cercas e da sede; limpeza e revitalização da coopervia e placas de sinalização; retirada de escombros de galpões antigos; reforma dos banheiros públicos, do coreto, da quadra poliesportiva e de areia; revitalização do parque infantil, bebedouros e retirada de entulhos; além da poda das árvores, essa já iniciada, entre outros serviços.

 

Vistoria

“Esse é o 14º parque em que o governo fará intervenções. Viemos fazer um diagnóstico inicial para buscar os meios necessários para fazer uma recuperação plena do local. O parque tem uma beleza extraordinária e uma infraestrutura que ajudará na sua recuperação, garantindo, assim, que a população usufrua ainda mais dele”, afirmou o presidente do Brasília Ambiental, Cláudio Trinchão.

 

Para o administrador regional do Paranoá, Sérgio Damasceno, a revitalização é muito aguardada pelos moradores. “Os filhos do Paranoá sabem da história do parque e da sua importância na época da construção de Brasília. Ficamos muito felizes por receber essa ação do governo,” afirmou o administrador.

A força-tarefa do GDF é coordenada pela Sema e Brasília Ambiental, com a execução da Secretaria de Governo, em parceria com outros órgãos, como Novacap, Caesb, Administração Regional do Paranoá, CEB, DER, Detran-DF, SLU, Funap e MPDFT- Cema/Samambaia.

 

Na lista dos parques já contemplados, destacam-se Sucupira (Planaltina), Saburo Onoyama e Cortado (Taguatinga), Águas Claras, Olhos d´Água (Asa Norte), Areal, Copaíbas e Ermida Dom Bosco (Lago Sul), das Garças (Lago Norte), Ezechias Heringer e Denner (Guará), Tororó (Jardim Botânico) e Jequitibás (Sobradinho).

 

Os próximos são os parques ecológicos Três Meninas, Veredinha, Paranoá, Lago Norte, Asa Sul, Riacho Fundo e do Gama, Denner (Guará), Tororó (Jardim Botânico) e Jequitibás (Sobradinho).

 

Origem

Após a inauguração da Barragem do Paranoá, os pioneiros que viviam na Vila Paranoá, cerca de 800 famílias, não puderam permanecer no local. Um estudo de impacto ambiental desaconselhou a consolidação da área, devido a fatores que não permitiriam que a área recebesse saneamento básico.

 

Assim, depois de realocarem a Região Administrativa do Paranoá para uma área mais adequada, a Vila foi transformada em Parque Ecológico, por meio da Lei nº 1.438, de 21 de maio de 1997. O ato de criação do parque foi publicado por decreto somente em 1984, com o objetivo de conservar e proteger as espécies locais e a memória da Vila, considerada patrimônio histórico. Em 2019, ele foi recategorizado como Parque Ecológico do Paranoá.

 

*Com informações do Instituto Brasília Ambiental

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: FREDDY CHARLSON