Governo do Distrito Federal
9/03/22 às 9h34 - Atualizado em 9/03/22 às 9h34

Obras do Parque Burle Marx entram em nova fase

Ilhas de lazer para uso da população serão entregues nos próximos meses

As obras para implantação do Parque Ecológico Burle Marx, entre a Asa Norte e o Noroeste, estão em ritmo acelerado e já ultrapassaram mais da metade dos serviços previstos. Nesta terça-feira (8), o Instituto Brasília Ambiental realizou visita técnica juntamente com representantes da Terracap, responsável pelo investimento de R$ 8 milhões, para discutir as próximas ações. Os recursos são provenientes de condicionantes do licenciamento ambiental referente à implementação do Setor Habitacional Noroeste.

Em geral, a avaliação do órgão ambiental é positiva e aponta a conclusão da primeira etapa para os próximos meses. “Já passamos de 50% do total da obra. É uma entrega histórica, muito esperada pelos moradores da região, e que será possível devido ao trabalho articulado entre os órgãos do Governo do Distrito Federal (GDF)”, comemorou o presidente do Brasília Ambiental, Cláudio Trinchão.

Localizado entre a Asa Norte e o Setor Noroeste, o Parque Ecológico Burle Marx terá duas ilhas de lazer, cada uma delas com uma quadra poliesportiva, duas quadras de tênis, uma quadra de areia e uma quadra de grama, bancos e pergolados, além de guarita, banheiros, pórtico de entrada e paisagismo com plantio de árvores e grama | Fotos: Divulgação/Instituto Brasília Ambiental
A parceria, que envolve o cumprimento das condicionantes, especialmente no que diz respeito ao pagamento das compensações ambientais, foi reconhecida por Trinchão. “O Brasília Ambiental vai dar um salto de qualidade nas suas intervenções em mais de 20 unidades de conservação, sendo boa parte delas fruto dessa integração com a Terracap, que hoje tem uma visão ambiental muito mais efetiva”, destacou.

Já o diretor técnico da Terracap, Hamilton Lourenço, também integrante da comitiva da visita técnica, enfatizou que a obra só não está mais adiantada devido à intensidade das chuvas nesses primeiros meses do ano. “Esse é o cumprimento de uma promessa de governo. Estamos de fato trabalhando para entregar um espaço público que vai trazer mais qualidade de vida para a população do DF”.

Integração

As intervenções contemplam a construção de duas ilhas de lazer, sendo uma voltada à Asa Norte e outra ao Setor Noroeste. Cada uma delas contará com uma quadra poliesportiva, duas quadras de tênis, uma quadra de areia e uma quadra de grama, bancos e pergolados, além de guarita, banheiros, pórtico de entrada e paisagismo com plantio de árvores e grama. Ainda estão previstas a criação de uma calçada unindo as ilhas, manutenção das trilhas rústicas e sinalização.

A nova unidade de conservação terá como principal objetivo proporcionar mais lazer não só aos moradores dos dois bairros, mas de toda Brasília, e permitir que a comunidade participe da conservação ambiental de 2/3 da área

Todo o restante da unidade está destinado à conservação do bioma cerrado. “Nosso objetivo é convidar os moradores do Noroeste e da Asa Norte, assim como toda a população do Distrito Federal, a conhecer e se apropriar do espaço, aproveitando o local de uso intensivo e cuidando dos outros 2/3 que é a área de preservação ambiental, como está especificado no plano de manejo do parque”, reforçou a superintendente de unidades de Conservação, Biodiversidade e Água do instituto, Rejane Pieratti.

Os gestores ainda revelaram que a próxima etapa é a promoção de um Programa de Recuperação Ambiental (Prad), onde serão retiradas as espécies exóticas existentes na UC e realizados plantios de espécies nativas do cerrado. Também estão nos planos uma nova licitação para a construção da pista de caminhada/cooper do entorno do parque, na parte da Asa Norte, que deve ter sua obra iniciada até o final deste ano.

O Parque Ecológico Burle Marx está localizado em uma das maiores manchas de cerrado, em área verde total de 280,67 hectares. É considerado um importante corredor ecológico entre o Parque Nacional de Brasília e o Lago Paranoá.

*Com informações do Ibram

Agência Brasília* | Edição: Saulo Moreno