Governo do Distrito Federal
5/10/22 às 12h25 - Atualizado em 5/10/22 às 12h25

Mutirão solidário vai reconstruir mamas de 80 mulheres com câncer

Hospitais regionais de Taguatinga, Ceilândia e da Asa Norte estão engajados na ação, que reúne mais de 100 servidores e voluntários

Agência Brasília* | Edição: Renata Lu

Uma questão de saúde física, bem-estar psicológico e impacto social. É assim que os mais de 100 servidores e voluntários encaram o mutirão para reconstrução de mamas que ocorre no Hospital Regional de Taguatinga (HRT) até o próximo dia 11 de outubro.

Em sua oitava edição, a iniciativa faz parte da campanha Outubro Rosa e deve atender cerca de 60 mulheres com a retirada de um ou os dois seios como tratamento contra o câncer de mama. Outras 18 mulheres serão atendidas com o mesmo procedimento cirúrgico no Hospital Regional de Ceilândia (HRC) e Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

Ao todo, são 30 cirurgiões plásticos que trabalham na reconstrução das mamas. Há ainda mastologistas, anestesistas e a equipe de enfermagem, além de tatuadores, responsáveis por fazer o desenho das aréolas dos seios | Fotos: Sandro Araújo/Agência Saúde

“Vamos seguir estimulando ações como essa, de união de forças em nome da qualidade de vida dos nossos pacientes”, disse a secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, que participou do lançamento do mutirão do HRT nesta terça-feira (4). Ela destacou iniciativas da gestão para ampliação dos planos operacionais dos hospitais regionais e pediu a integração entre as diversas unidades da rede para garantir o atendimento de todos. “Vamos usar toda nossa capacidade instalada seja de equipamentos e de pessoal. Vamos revolucionar a saúde pública do DF”, convocou.

Hoje, a rede pública de saúde do DF conta com 11 mamógrafos em operação. Só neste ano, já foram realizados 19.288 exames, uma média de dois mil a cada mês. Ao longo do ano, também foram realizadas 34.623 coletas de material para a detecção do câncer de colo de útero, tema também abordado nas campanhas do Outubro Rosa.

O câncer de mama é o mais letal para as mulheres no Brasil. No DF, são cerca de 12,96 óbitos para cada 100 mil mulheres. Somente em 2022, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estima que sejam registrados 730 novos casos no DF, de um total de 66.280 em todo o Brasil.

O câncer de mama é o mais letal para as mulheres no Brasil. No DF, são cerca de 12,96 óbitos para cada 100 mil mulheres

Ação do HRT

“O objetivo do Outubro Rosa são elas. Mulheres que chegam muitas vezes debilitadas, tristes e cabisbaixas, e saem daqui lindas e poderosas”, disse a enfermeira Mônica Dias dos Reis, durante o lançamento do mutirão no HRT. “É a parte humana que está envolvida, não é apenas o cirúrgico”, completou o presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Fausto Paguay, um dos voluntários.

Ao todo, são 30 cirurgiões plásticos que trabalham na reconstrução das mamas. Há ainda mastologistas, anestesistas e a equipe de enfermagem, além de tatuadores, responsáveis por fazer o desenho das aréolas dos seios. Antes da alta hospitalar, as mulheres atendidas passam também por sessões de beleza, com novos penteados e maquiagem.

A própria ala de cirurgia do HRT recebeu uma decoração especial para celebrar o Outubro Rosa. “A gente sabe o impacto que o HRT tem na vida das pessoas. É por isso que estamos aqui todos os dias”, afirmou o diretor do hospital, Jair Tabchoury Filho.

Desde a primeira edição, em 2016, os mutirões de reconstrução de mamas do HRT já atenderam 274 mulheres. Em 2022, a convocação para as cirurgias é realizada de acordo com a lista do Sistema de Regulação da Secretaria de Saúde.

O deputado distrital Jorge Viana, presente no evento, lembrou do início da construção do Hospital Oncológico de Brasília. Ele elogiou ainda o trabalho dos servidores públicos e a dedicação constante à saúde da população.

*Com informações da Secretaria de Saúde