Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
10/01/24 às 9h44 - Atualizado em 10/01/24 às 9h44

Equipes atuam para resolver problemas causados pelas chuvas no Sol Nascente

Obras de drenagem da cidade foram afetadas pelas fortes tempestades dos últimos dias. Equipes multidisciplinares atuam na região diariamente para minimizar transtornos

Carolina Caraballo, da Agência Brasília | Edição: Saulo Moreno

 

Levar infraestrutura para uma cidade inteira demanda tempo. Em especial se, no meio do processo, fortes chuvas atrapalharem o andamento das obras. Essa é a situação vivida atualmente pelo Sol Nascente/Pôr do Sol. Com redes de drenagem sendo construídas em diversas frentes na região para receber pavimentação, as ruas da cidade sofreram com as tempestades dos últimos dias.

Secretária adjunta de Obras do Distrito Federal, Janaína Chagas afirma que garantir o desenvolvimento do Sol Nascente é uma das prioridades do governo. “Já concluímos metade dos serviços previstos em contrato para o Trecho 3 e as obras seguem avançando”, garante. Desde 2019, cerca de R$ 600 milhões foram investidos em obras de infraestrutura e equipamentos públicos na cidade.

“Nos locais mais afetados pelas chuvas dos últimos dias, acionamos as empresas contratadas para, em parceria com a administração regional, intervirem com medidas paliativas que garantam a trafegabilidade das vias e o direito de ir e vir das pessoas”, informa Janaína Chagas. “O cenário ainda não é o ideal, mas, para o próximo período chuvoso, tenho certeza de que não teremos transtornos como os de agora.”

O administrador adjunto Pedro Barros acompanha de perto o desenvolvimento dos trabalhos na região | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Essa certeza é compartilhada pelo pastor Edvaldo Portela, 53 anos. Morador do Sol Nascente há mais de 10 anos, ele acompanha da porta de casa os esforços do Governo do Distrito Federal (GDF) para conter os impactos das chuvas na região. E aplaude a iniciativa do poder público.

“Estão construindo uma rede de drenagem aqui na nossa rua, por isso o asfalto ainda não foi feito. Então, na última tempestade que enfrentamos, a situação ficou complicada”, explica Edvaldo. “Mas toda obra é um processo, a gente compreende. E o governo tem se apressado em espalhar material pela pista, fazer o nivelamento e deixar a via em condições de ser usada de novo. Vai ser assim até o sistema de escoamento ficar pronto.”

Esforços

A casa do pastor Edvaldo fica no Setor Cachoeirinha, região localizada no Trecho 3. Por lá, as fortes chuvas que caíram no último dia 3 de janeiro fizeram o solo ceder, o que provocou o rompimento da rede de drenagem que está sendo construída pela Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb). A água se acumulou por aproximadamente 100 m lineares, mas a agilidade em consertar o estrago impediu a erosão da pista.

O diretor de Obras da Administração Regional do Sol Nascente, Cairo Vaz Nascimento, toma providências para ajudar os moradores que transitam pela região

“Acionamos a Caesb e, no mesmo dia, os técnicos começaram a reparar o sistema de escoamento. O serviço foi concluído ontem. Hoje, já entramos com a pá carregadeira espalhando RCC [resto de construção civil] na pista”, conta o administrador adjunto do Sol Nascente, Pedro Barros. Ao todo, mais de 300 toneladas do material foram usados para nivelar a rua.

Confira outros pontos do Sol Nascente/Pôr do Sol onde o GDF tem atuado para minimizar os efeitos das chuvas:

– Chácara 84, Trecho 3: O poço de visita (PV) da rede de drenagem, que está em construção, encheu de água com a tempestade e encharcou o solo da região, que acabou cedendo na última sexta-feira (5). “Jogamos RCC e fizemos o nivelamentos das pistas no mesmo dia. E, no sábado, precisamos repetir o processo por conta de uma nova tempestade”, observa Pedro Barros. “Vamos garantir a trafegabilidade da pista quantas vezes for necessário, até o fim das obras.”

– Chácara 75, Trecho 3: O asfalto da via principal foi retirado para a construção da rede de drenagem de águas pluviais. Com a força das chuvas de quarta-feira (3), no entanto, um dos poços de visita da obra cedeu. “Jogamos material apropriado no buraco, compactamos e deixamos a pista em condições de uso. Agora, é aguardar uma estiagem para darmos continuidade à obra”, comenta o administrador adjunto.

– Chácara 79, Trecho 3: O buraco aberto para a construção de um PV se encheu de água. E, mesmo localizada no canto da rua, a cratera alagada acabou provocando um acidente sem vítima neste sábado (6). “Um motorista não reparou que havia um vão ali e atolou a parte da frente do carro”, explica o diretor de Obras da Administração Regional do Sol Nascente, Cairo Vaz Nascimento. “Já preenchemos o buraco com rachão e vamos mantê-lo assim até as chuvas darem uma trégua.”

Força-tarefa

O empenho constante do GDF em enfrentar o impacto das fortes chuvas – não só no Sol Nascente, mas em todo o Distrito Federal – foi otimizado e reforçado em novembro de 2023. Na época, gestores e servidores públicos foram preparados para lidar com possíveis ocorrências no período chuvoso de forma organizada.

Equipes multidisciplinares, compostas por 17 órgãos do GDF e as 35 administrações regionais, receberam a orientação de agir imediatamente diante de casos de emergência, como ocorrências ou acidentes naturais. As comissões priorizam as regiões mais afetadas e operam em escalas que incluem períodos noturnos, finais de semana e feriados.

No dia 3 de janeiro, a governadora em exercício Celina Leão assinou o Decreto nº 45.382/2024, que coloca o Distrito Federal em estado de alerta por causa das chuvas. “As normas estão sendo cumpridas na íntegra. As equipes do governo estão trabalhando em regime de plantão, 24h por dia”, comentou a gestora, em visita ao Sol Nascente na última sexta (5).