Governo do Distrito Federal
20/12/22 às 12h07 - Atualizado em 20/12/22 às 12h10

Dos tapumes à 1ª travessia; confira linha do tempo do Túnel de Taguatinga

A maior obra viária em construção no DF vai beneficiar 137 mil motoristas por dia quando entregue à população

Adriana Izel, da Agência Brasília

Construir um túnel no meio de Taguatinga é um desafio que o Governo do Distrito Federal (GDF) se comprometeu a fazer para beneficiar 137 mil motoristas e dar uma nova roupagem ao centro da região administrativa. Em julho de 2020 começaram os trabalhos, com a instalação dos tapumes, a retirada dos postes de iluminação e a supressão vegetal, serviços necessários para dar início à construção, estabelecida em agosto com as escavações.

“Em dois anos saímos do absoluto zero, tirando do papel esta obra que muitos acreditavam se tratar de lenda urbana”, afirma o secretário de Obras, Luciano Carvalho. “O túnel de Taguatinga é a obra mais significativa do corredor oeste. Assim que entrar em funcionamento, promete desafogar o trânsito no centro de Taguatinga”, completa.

 

Arte: Agência Brasília

Ao longo de dois anos, a obra passou por todas as fases. No primeiro ano, o trabalho se concentrou nas escavações e na concretagem e execução das paredes de diafragma e da mureta guia. Os serviços não pararam mesmo durante a pandemia de covid-19, seguindo todas as recomendações sanitárias.

A partir de 2021, para intensificar os serviços, a obra passou por duas mudanças de turnos: se estendendo das 7h às 22h em maio e com ações noturnas das 21h30 às 7h30, a partir do último mês. O que resultou em novas atividades, como o início da concretagem da laje e a demolição do viaduto da Samdu, além da evolução na escavação e na concretagem das últimas paredes do túnel.

Em 2022, a obra entrou numa etapa acelerada com muitas entregas importantes. A Licença Ambiental Simplificada (LAS) e o plano de segurança foram aprovados. Foi construída a bacia de retenção para captar água da chuva. O grande marco do ano foi o término da escavação dos túneis sul e norte, que permitiram a primeira travessia de carros pela passagem subterrânea feita por empresários de Taguatinga.

Além disso, o Túnel de Taguatinga passou a ter liberações parciais de trânsito de veículos e de pedestres. Foram abertas as circulações nos cruzamentos das avenidas Comercial e Central e da Samdu com a Avenida Principal, além da construção e inauguração da pista marginal sul do boulevard, em direção à EPTG.

“O mais importante para o bom andamento de uma obra é o fluxo simétrico entre a execução dos serviços, as medições e o pagamento desses serviços. Conseguimos alcançar essa simetria com as empresas e a Caixa [Econômica Federal], órgão financiador da obra, de modo que os pagamentos estão em dia e os serviços continuam avançando”, avalia o secretário.

Com investimento de R$ 275,7 milhões, a estrutura vai mudar a circulação no centro de Taguatinga com dois túneis fazendo o trajeto do Plano Piloto em direção a Ceilândia e vice-versa, duas pistas marginais na parte superior, além da pista do BRT que faz parte do chamado corredor Eixo Oeste, que vai ligar desde o Sol Nascente/Pôr do Sol até a área central de Brasília.