Governo do Distrito Federal
27/12/22 às 10h14 - Atualizado em 27/12/22 às 10h14

Comércio às margens do Túnel de Taguatinga retoma vendas com avanço da obra

A passagem de pedestres que liga a estação na Praça do Relógio ao lado sul da Avenida Central ajudou a melhorar o movimento nas lojas

Adriana Izel, da Agência Brasília | Edição: Rosualdo Rodrigues

Conforme a obra do Túnel de Taguatinga avança, o comércio na região volta a ter movimento, retomando as vendas. A principal melhoria desde o início da construção se deu com a reabertura da passarela do metrô, que liga a estação na Praça do Relógio ao lado sul da Avenida Central, área composta por muitas lojas de diferentes segmentos. A desobstrução ocorreu no começo de outubro.

A principal melhoria foi a reabertura da passarela do metrô, que liga a estação na Praça do Relógio ao lado sul da Avenida Central | Foto: Tony Oliveira/Agência Brasília

Virada para a pista marginal sul do boulevard e bem próxima à saída da passagem subterrânea está uma loja de sapatos que tem se beneficiado com a circulação de pedestres na área. O gerente Wanderson França, 21 anos, conta que o movimento melhorou nos últimos meses.

“Estava bem ruim para a gente aqui do comércio, mas, agora que voltou a ter um fluxo de pessoas, melhorou”, afirma. Para o comerciante, tanto a passarela do metrô reaberta quanto a retirada dos tapumes que margeavam a pista da marginal sul foram importantes na retomada das vendas.

Gerente de uma loja de casa e banho, Luana Escossio, 26 anos, diz que o estabelecimento criou estratégias para enfrentar os desafios no começo da obra. “Para não perder vendas, nós fazíamos delivery, íamos até o carro dos clientes para passar o cartão. A gente se virava”, lembra.

O gerente Wanderson França afirma que o movimento melhorou nos últimos meses na loja de sapatos em que trabalha| Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Mas ela conta que, agora, a situação mudou. “Está bem melhor, com o movimento maior. A reabertura da passagem do metrô tem sido importante, porque está criando movimento dos dois lados. Assim, acabamos tendo mais clientes”, completa.

Dona de uma relojoaria há 40 anos, Rocilene Souza Rodrigues, 60, percebe uma mudança. “Os primeiros anos foram péssimos, mas melhorou um pouco sim. As pessoas já têm como atravessar e passar por aqui”, revela.

A lojista tem esperanças de melhora quando a obra estiver completamente concluída. “Quando tiver tudo liberado, acho que vai melhorar, principalmente quando já tiver parada de ônibus porque aí as pessoas passam por aqui”, acrescenta.

Luana Escossio conta que a loja que gerencia criou estratégias para enfrentar desafios no início da obra | Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Ação do governo

O administrador de Taguatinga, Ezequias Pereira da Silva, revela que a administração manteve diálogo permanente com a comunidade, tendo um cuidado especial com os comerciantes diante da situação delicada da obra.

“Uma das ações adotadas foi a realização de visitas guiadas de grupos específicos – estudantes, comerciários e lideranças comunitárias –, de modo que a população pudesse ver in loco a obra e sua dimensão. Esse tipo de ação ajudou muito na compreensão do que é o projeto e o que trará de benefício à população quando o túnel estiver concluído”, detalha.

Outra ação do governo foi estabelecer que as empresas no centro de Taguatinga podiam solicitar prorrogação do pagamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e da Taxa de Limpeza Pública (TLP) referentes a 2021 e 2022 apenas a partir de março de 2023.

“Temos consciência de que foram dois anos bem difíceis para os comerciantes da região. Aproveito para agradecer pela paciência e pelo comportamento sempre cortês e educado com os funcionários da obra”, pontua o secretário de Obras, Luciano Carvalho. “Temos certeza de que as vendas serão melhores e os prejuízos de ontem se transformarão em grande retomada nos próximos meses.”