Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/20 às 8h25 - Atualizado em 10/12/20 às 8h26

Avança obra da ponte sobre o Córrego Vicente Pires

COMPARTILHAR

Encabeçamento do elevado está 35% concluído. Trânsito diário no local será de aproximadamente 20 mil veículos

 

Cerca de 20 mil veículos trafegam diariamente pelo trecho | Foto: DER/DF

 

O Departamento de Estradas de Rodagem do Distrito Federal (DER/DF) avança na execução da obra da ponte sobre o Córrego Vicente Pires, localizada na via marginal da Estrutural da Estrada Parque Ceilândia (EPCL/DF-095) com destino à Estrada Parque Vale (EPVL/DF-087). O serviço está na etapa de implantação do encabeçamento que aterra o elevado. Esta fase teve início na primeira quinzena de novembro deste ano e já marca 35% de conclusão.

 

Após o término desta etapa haverá as sinalizações vertical, que contempla a colocação das placas, e horizontal, com a pintura das faixas. A liberação da ponte para a circulação dos cerca de 20 mil veículos que trafegam diariamente pelo trecho está prevista para o início de 2021.

 

Primeiros passos

Antiga demanda da população de Vicente Pires, a obra de arte especial de 40 metros foi iniciada em abril deste ano e passou pelas fases de limpeza do local, de terraplenagem, da concretagem da fundação, que sustenta o elevado, e do erguimento da parede de concreto com os pilares, que garante o suporte das 170 toneladas de vigas metálicas, seguida da aplicação do concreto. O valor investido na benfeitoria é de aproximadamente R$ 3 milhões.

 

Para o operador de telemarketing, Leandro Alves, de 28 anos, a nova passagem vai proporcionar menos tempo no trânsito para os motoristas que transitam em direção à DF-095. “Será ótimo quando a ponte for liberada, porque eu não vou mais precisar passar pela via expressa da Estrutural para ter acesso à Pista do Jóquei. É de fato uma volta desnecessária”, admitiu.

 

Melhorias recebem elogios dos usuários da rodovia | Foto: DER/DF

 

Por lá foram feitos os serviços de restauração de 3 quilômetros de asfalto, além da colocação de meios-fios, gramagem e construção de calçadas no canteiro central, sinalizações horizontal (pintura das faixas de rolamento e de passagem de pedestres) e vertical (instalação de placas), readequação geométrica dos balões e criação de faixa de aceleração e desaceleração no retorno da via.

 

“Todas as obras, adequações ou intervenções realizadas por nós do DER têm o objetivo de proporcionar mais segurança, conforto na mobilidade e economia de tempo gasto no trânsito. E esses trabalhos realizados nos trechos que abrangem tanto a Estrutural quanto a EPTG e a EPVL melhoram as condições de mobilidade da população que trafega por essas rodovias”, declarou o diretor-geral do órgão, Fauzi Nacfur Júnior.

 

* Com informações do DER/DF

AGÊNCIA BRASÍLIA * | EDIÇÃO: FÁBIO GÓIS