Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/05/21 às 17h57 - Atualizado em 18/05/21 às 17h57

Aprovado projeto de reforma da área do Cruzeiro Center

COMPARTILHAR

Requalificação prevê obras de acessibilidade, renovação do piso e outras melhorias

 

Uma nova etapa foi concluída no projeto que, voltado para a área pública do Cruzeiro Center, pretende requalificar o local com obras de acessibilidade, renovação do piso, melhorias nos estacionamentos e a criação de estruturas com coberturas de vidro entre os blocos. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh) publicou, no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) desta terça-feira, (18) a Portaria n° 35/2021, que aprovou o projeto.

 

Esse era o último passo a ser concluído pela Seduh, que encaminhará o material à Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) – à qual caberá, a partir de agora, trabalhar no orçamento e na licitação da obra.

 

De acordo com a coordenadora substituta de Projetos da Seduh, Rejane Jung, a reforma do Cruzeiro Center prevê rampas, travessias, plataformas elevadas, faixas de pedestres, pisos táteis e uma rota até o ponto de ônibus. “É uma requalificação do espaço público em volta do Cruzeiro Center”, resume.

 

Renovação de ambiente

Também será feita a troca de toda a pavimentação, bem como renovação das pedras portuguesas nos pontos entre os blocos. Nesses locais, é prevista ainda a criação de pergolados – estruturas com cobertura de vidro para uso de pedestres –, que terão imobiliário urbano, como cadeiras e mesas.

 

“Essa é uma demanda muito antiga da população do Cruzeiro”, informa Rejane. “Eles queriam uma cobertura entre os blocos, então pensamos nessa solução do pergolado para manter o desenho original com a criação de locais de estar.”

 

São ainda propostas melhorias nos estacionamentos, com a organização das vagas e arborização, e o plantio de arbustos mais adequados às jardineiras existentes. Também haverá reforma das escadas deterioradas, das grelhas sobre as canaletas de drenagem das águas e das rampas fora do padrão de acessibilidade.

 

*Com informações a Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação

AGÊNCIA BRASÍLIA* | EDIÇÃO: CHICO NETO