Governo do Distrito Federal
11/01/23 às 15h40 - Atualizado em 11/01/23 às 15h40

Aprovado projeto de modernização da Praça do Relógio, em Taguatinga

Entre as melhorias estão mais acessibilidade, iluminação e recuperação das pedras portuguesas

Agência Brasília* | Edição: Saulo Moreno

Uma boa notícia para os moradores de Taguatinga. A Praça do Relógio passará por reforma para se tornar mais acessível para toda a comunidade. O projeto, desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Seduh), é um pedido antigo da população, e foi aprovado pela Portaria nº 2, publicada no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) nesta quarta-feira (11).

Entre as melhorias previstas para o ponto histórico mais famoso de Taguatinga estão: acessibilidade, mais iluminação, paisagismo, instalação de bancos e lixeiras, além de criar a conexão com o projeto do boulevard planejado acima do Túnel de Taguatinga, recém batizado de Rei Pelé, que está em fase de conclusão.

A fonte, o espelho d’água e os canteiros também serão reformados. Já o piso de pedra portuguesa será substituído parcialmente por um piso de concreto moldado in loco. O pavimento tem poucas irregularidades e permite fácil manutenção – mais segurança para os portadores de necessidades especiais.

“Vamos reaproveitar as pedras portuguesas nos locais de permanência, ou seja, nos espaços que ficam na sombra e oferecem mesas e bancos, já ao longo do percurso de deslocamento, que leva à estação de metrô e aos pontos de ônibus, o piso será podotátil ”, explicou Clécio Rezende, diretor de Espaço Público e Qualificação Urbana da Seduh.

A área no entorno do relógio permanecerá preservada em razão do seu tombamento. O projeto agora será enviado para a Secretaria de Obras do DF (SO), a quem cabe dar o andamento para execução das obras.

A história do relógio

Brasília tinha apenas dez anos quando recebeu a visita de Eiichi Yamada, então presidente da fabricante de relógios Citizen Watch. Encantado com os traços modernos da cidade, o japonês prometeu uma criação exclusiva da sua empresa para a capital.

O presente – o relógio com quatro lados, envolvido por estrutura de concreto quadrada com 15 metros de altura – não pôde ficar no Plano Piloto. De tão grandioso, feria o plano urbanístico de Brasília.

O monumento precisou ser transferido para a Praça Central de Taguatinga, que passou a se chamar Praça do Relógio. Em 18 de setembro de 1989, a obra foi tombada como patrimônio cultural e artístico do Distrito Federal.

*Com informações da Seduh