Governo do Distrito Federal
19/10/22 às 11h02 - Atualizado em 19/10/22 às 11h02

Aprenda a fazer compostagem de orgânicos em condomínios domiciliares

SLU disponibiliza cartilha com o passo a passo para a população 

 

Agência Brasília* I Edição: Débora Cronemberger

Mais de 40% dos resíduos da coleta convencional correspondem a matéria orgânica, segundo relatório de análise dos resíduos sólidos do Distrito Federal elaborado durante o período chuvoso em 2021. O estudo foi feito pelo Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal (SLU) em 22 das 33 regiões administrativas do DF. A compostagem é uma forma de reduzir os impactos no Aterro Sanitário de Brasília e reaproveitar esses resíduos.

O sistema de compostagem pode ser construído com diversos materiais, como madeira, cerca de arame, metal, tijolo e, até mesmo, em caixas d’água ou manilhas de concreto | Foto: Divulgação/SLU

O SLU já trata mais de 24 mil toneladas por mês de resíduos domiciliares nas duas usinas de tratamento mecânico e biológico (UTMBs), produzindo mais de 5,8 toneladas de composto orgânico por mês. Para que a população também possa fazer parte desse processo em casa, o SLU teve a iniciativa de construir um projeto-piloto de composteira comunitária a ser implantada em condomínios residenciais e disponibilizou uma cartilha para a população com orientações para a execução da obra.

O projeto-piloto da composteira comunitária foi instalado em maio deste ano, na UTMB de Ceilândia. O objetivo é incentivar a população e servir como modelo para instalação em condomínios residenciais, atendendo a Lei nº 6.518 de 12 de março de 2020, que instituiu, no Distrito Federal, a obrigatoriedade da destinação ambientalmente adequada de resíduos orgânicos por meio dos processos de compostagem ou outro tratamento biológico.

O sistema de compostagem pode ser construído com diversos materiais, como madeira, cerca de arame, metal, tijolo e, até mesmo, em caixas-d’água ou manilhas de concreto. Porém, é imprescindível garantir a entrada de oxigênio e viabilizar o manuseio do sistema, assim como considerar a durabilidade da estrutura. Desta forma, a estrutura construída com perfil e telas metálicas possui resistência e durabilidade necessárias para a operação do sistema.

Sudoeste foi a primeira região administrativa do DF a construir e instalar a composteira pública urbana inspirada no projeto-piloto do SLU | Foto: Paulo H.Carvalho/Agência Brasília

Depois de instalada, os moradores podem descartar na composteira restos de alimentos não cozidos, casca de ovos e frutas, borra de café e saquinhos de chá, por exemplo. Para explicar o passo a passo da criação desta estrutura, o SLU disponibilizou o Manual de Compostagem em Condomínios Domiciliares. Para ter acesso à cartilha, clique aqui.

Em junho deste ano, o Sudoeste foi a primeira região administrativa do DF a construir e instalar a composteira pública urbana inspirada no projeto-piloto do SLU. Construído pelo Governo do Distrito Federal (GDF), por meio da administração regional e do SLU, o equipamento transforma resíduos orgânicos em adubo e atende a produção da horta comunitária localizada na lateral do Parque Bosque do Sudoeste.

O projeto-piloto, totalmente desenvolvido pelo SLU, além de fácil implementação e de baixo orçamento, permite o tratamento sustentável e ambientalmente correto de resíduos orgânicos.

 

*Com informações do SLU